quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

O passado, é o passado

Hoje não é um dia qualquer. É um dia que só acontece uma vez de 4 em 4 anos. Isso significa que existem pessoas que só fazem anos nessas datas, mas têm de os festejar antes ou depois. Acho que ninguém liga realmente muito a isso, porque os anos vão passando e as pessoas fazem anos todos os anos. A vida não pára. Mas hoje, além de ser um dia que acontece poucas vezes, também foi um dia importante para mim. Foi um dia em que me apercebi do quanto parva fui há uns anos atrás. Foi um dia em que percebi que a mudança me tornou uma pessoa bem melhor. Estou feliz por mim e por quem tenho na minha vida neste momento. Sei que não me vão abandonar. Neste dia, que para muitos pode ter significado e para outros nenhum, para mim significou muito. Mas, no início do dia, era um dia como tantos outros. Fui para a escola de autocarro, tive aulas o dia inteiro e supostamente voltava de autocarro para casa, mas a minha mãe trouxe-me. Mas desta vez não acabei o dia a ver TV. Acabei o dia a falar com a minha mãe. Não estivemos muito tempo a falar, mas falámos muito. Falamos do passado. Apercebi-me que o passado é isso mesmo, passado. Ficou lá atrás, mas não ficou esquecido. Percebi que muitas das vezes fui injusta com ela, muitas das vezes a fiz sofrer. Isso aconteceu porque havia outra pessoa a tentar meter-me contra ela. Está errado. Não se faz o que eu lhe fiz e o que essa pessoa fez com que eu fizesse. Não se diz o que eu disse a uma mãe tão fantástica como a minha. Mas, antes, eu era uma criança. Acreditava, ingenuamente em tudo o que me diziam. E agora percebo o quão injusta fui naquilo que disse e que fiz. Infelizmente, nunca pude pedir desculpa há pessoa mais importante na minha vida, a minha avó. Mas desde que já não a tenho comigo, essa pessoa importante passou a ser a minha mãe. Agora vejo que ela esteve sempre comigo e que nunca me quis mal. Se eu estava a ser injusta com ela, era não só por ser ingénua, mas porque outro alguém me andava “a fazer a cabeça” contra ela. Não pude pedir desculpa por muitas das coisas que fiz há pessoa mais especial da minha vida, mas agora vou poder remediar esse tremendo erro antigo. A minha mãe está aqui comigo, todos os dias. Tenho a sorte de a ter como mãe. E também vou ter a hipótese de lhe pedir desculpa por tudo aquilo que lhe disse e não devia ter dito antes. Não me vou desculpar com o que a outra pessoa me dizia sobre ela. Apenas fiz o que achava que estava certo naquele momento, e como ingénua que era também achava que estava correto. Não me arrependo do que fiz, mas do que deixei por fazer. Sempre fui assim. Esse é o meu maior lema. Mas a minha maior verdade, é que fiz mal a quem mais gostava de mim e finalmente me apercebi que está na hora de corrigir alguns erros do passado que não passavam de meros acasos (pensava eu). Não me lembro duma grande parte da minha vida, acho que todos somos assim. Provavelmente se me lembrasse, era mau sinal. Mas o passado, é passado e ninguém o pode alterar. Por isso, vou mudar o que pode acontecer no futuro. É isso que realmente vou fazer o resto da minha vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário